Maria da Paixão
Instituto FMM
As 7 Mártires e Assunta

Província
Instituto
Igreja
Mundo
Amigos FMM
Voluntariado
Pastoral Juvenil/ Vocacional
Abre e vê
Quem somos
O que fazemos
Onde estamos
Amoreira da Gândara Fratel Porto - Maria Missionária
Arcozelo Funchal - Santa Clara Porto - S. Francisco
Beja Funchal - São Jorge Porches
Braga Lisboa - Casa Provincial Setúbal
Bragança  Lisboa - Chelas V. N. de Santo André
Charneca Caparica Lisboa - Cristo da Boa Morte Vila de Rei
Coimbra   Lisboa - Olivais  

 

 

cristo-palavra
























francisco-alegria










papa-paulo-vi




Notícias do Mundo


Constituições FMM

Missionárias
,
prontas a ir por toda a parte e a todos, para anunciar a Boa Nova da salvação, somos enviadas em prioridade
àqueles a quem Cristo não foi revelado,
àqueles entre os quais a Igreja está menos presente,
com preferência pelos mais pobres.
(Constituições 4)


Deus interpela-nos pelos sinais dos tempos;
por isso, estamos atentas às necessidades do mundo em mutação,
aos apelos e necessidades da Igreja universal e particular,
a fim de lhes dar uma resposta segundo o nosso carisma.
(Constituições 37)






Evangelii Gaudium - Português



1.
A Alegria do Evangelho enche o coração e a vida inteira daqueles que se encontram com Jesus. Quantos se deixam salvar por Ele são libertados do pecado, da tristeza, do vazio interior, do isolamento. Com Jesus Cristo, renasce sem cessar a alegria. [...]


I. Alegria que se renova e comunica

2. O grande risco do mundo atual, com sua múltipla e avassaladora oferta de consumo, é uma tristeza individualista que brota do coração comodista e mesquinho, da busca desordenada de prazeres superficiais, da consciência isolada.

Quando a vida interior se fecha nos próprios interesses, deixa de haver espaço para os outros, já não entram os pobres, já não se ouve a voz de Deus, já não se goza da doce alegria do seu amor, nem fervilha o entusiasmo de fazer o bem.

Este é um risco, certo e permanente, que correm também os crentes. Muitos caem nele, transformando-se em pessoas ressentidas, queixosas, sem vida. Esta não é a escolha duma vida digna e plena, este não é o desígnio que Deus tem para nós, esta não é a vida no Espírito que jorra do coração de Cristo ressuscitado.

3. Convido todo o cristão, em qualquer lugar e situação que se encontre, a renovar hoje mesmo o seu encontro pessoal com Jesus Cristo ou, pelo menos, a tomar
a decisão de se deixar encontrar por Ele, de O procurar dia a dia sem cessar.

Não há motivo para alguém poder pensar que este convite não lhe diz respeito,
já que «da alegria trazida pelo Senhor ninguém é excluído».

Francisco, Papa - sobre o anúncio do Evangelho no mundo atual - 24-11-2013





Exortação Apostólica Evangelii Nuntiandi   

Importância primordial do testemunho da vida

21. E esta Boa Nova há de ser proclamada, antes de mais, pelo testemunho. Suponhamos um cristão ou punhado de cristãos que, no seio da comunidade humana em que vivem, manifestam a sua capacidade de compreensão
e de acolhimento, a sua comunhão de vida e de destino com os demais,
a sua solidariedade nos esforços de todos para tudo aquilo que é nobre e bom.

Assim, eles irradiam, de um modo absolutamente simples e espontâneo,
a sua fé em valores que estão para além dos valores correntes,
e a sua esperança em qualquer coisa que se não vê e que não se seria capaz sequer de imaginar. 



Papa Paulo VI
- sobre a Evangelização no mundo contemporâneo - 08-12-1975







francisco-davos


francisco-mensagem


cardeal-peter-turkson

Cardeal Peter
Turkson


Mensagem do Papa Francisco
ao Presidente executivo do Fórum Económico Mundial



O Fórum Económico Mundial (FEM) foi fundado em 1971 por Klaus M. Schwab, Professor de administração na Suíça.
 
O FEM, organização sem fins lucrativos, é mais conhecido pelas reuniões anuais que realiza em Davos, Suíça, nas quais reúne os principais líderes empresariais e políticos, assim como intelectuais e jornalistas selecionados para discutir as questões mais urgentes enfrentadas mundialmente, incluindo saúde e meio-ambiente.


cardeal-peter-turkson

 

O Papa Francisco foi convidado a participar no 44º encontro,
de 21 a 25 janeiro 2014.



Dada a impossibilidade de estar presente, o Papa enviou o Cardeal Peter Turkson (ganês), para o representar, sendo este portador de uma mensagem ao Professor Klaus Schwab, Presidente executivo do World Economic Forum.

É a primeira vez que um papa é convidado e envia uma mensagem ao «Fórum Económico Mundial».







c-ronaldo















c-ronaldo-codecoracao


Cristiano Ronaldo 


20.01.2014 - O Presidente da República, Professor Aníbal Cavaco Silva, na cerimónia de condecoração de Ronaldo com o grau de Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique, agradeceu:

"Cristiano Ronaldo, agradeço-lhe o contributo que tem dado à seleção nacional, agradeço-lhe o contributo que tem dado para a difusão do nome de Portugal no mundo, agradeço-lhe aquilo que representa para os portugueses, as alegrias que lhes tem trazido".  

Sublinhou o rigor e profissionalismo que Cristiano Ronaldo alia a "um talento indiscutível", bem como o seu empenho na combinação entre "trabalho, disciplina, determinação e vontade de vencer" que faz do futebolista "um jogador único no mundo".





(CR7) - Cristiano Ronaldo condecorado com o grau de Grande Oficial da Ordem do Infante D Henrique


Cristiano Ronaldo agradeceu comovido e afirmou que esta condecoração lhe dá "motivação para trabalhar mais e melhor" no sentido de "representar Portugal ao mais alto nível".

 
A cerimónia realizou-se no Palácio de Belém, em Lisboa, uma semana depois de o jogador, aos 28 anos de idade, ter sido distinguido, na sua carreira, com a segunda Bola de Ouro da FIFA (a 13.01.2014),


Esteve inicialmente prevista para o dia 7 de janeiro, mas foi adiada devido à morte de Eusébio a 5 de janeiro de 2014.





eusebio




eusebio2

Eusébio da Silva Ferreira - "Pantera Negra"

Palavras de Eusébio (excertos de duas das suas cartas):

«A formação cristã que minha Mãe me deu e a que recebi também dos padres missionários que estavam lá perto da minha terra [Moçambique] hão-de ajudar-me muito na vida»
(Eusébio escreveu, em Lisboa, quando estava hospitalizado - dezembro de 1960).
«Na vida há sempre dificuldades a vencer e problemas que temos de resolver. Mas resolvem-se quando a nossa vontade é forte. E Deus ajuda sempre» 
(da missiva escrita a 05 de agosto de 1967).

Eusébio, natural de Moçambique, faleceu em Lisboa no domingo 05 de Janeiro de 2014, aos 71 anos de idade.
O seu corpo esteve em câmara ardente na sede do Sport Lisboa e Benfica, clube do seu coração, pelo qual ganhou vários títulos nacionais e europeus.

A Celebração da Eucaristia de corpo presente, no Seminário da Luz, foi presidida pelo Superior Provincial dos Franciscanos, P. Vítor Melícias.

«Grandeza sem arrogância» é o título do artigo que "L'Osservatore Romano", o jornal do Vaticano,  dedica ao futebolista português Eusébio, considerando-o «vencedor no desporto e na vida».

«Em 1966, ano do mundial em Inglaterra, que o consagrou como melhor jogador do campeonato, entre a sua terra de origem e a sua pátria de eleição havia já a guerra civil», mas «nunca Eusébio aceitou instrumentalizar-se de uma ou de outra parte».

Nesse Mundial, ainda que o terceiro lugar final da seleção, «graças sobretudo aos seus golos, tenha sido o melhor resultado de sempre para Portugal», e apesar de ter sido o principal impulsionador do seu clube em vitórias nacionais e internacionais, «Eusébio nunca mostrou arrogância».

"O País está oficialmente de luto"
,
afirmou o Presidente da República, Professor Aníbal Cavaco Silva, numa declaração no Palácio de Belém, em Lisboa, a propósito da morte de Eusébio. 

Destacou o percurso do mais importante jogador português e um dos símbolos do país como "um desportista de exceção, um dos melhores do mundo", possuidor de uma "humildade e afabilidade invulgares" e uma "simplicidade dos grandes". 

E deixou o apelo: "Sigamos o exemplo de Eusébio, enquanto desportista e ser humano". É esta a "melhor forma de ser homenageado e a forma como gostaria de ser homenageado".

Foi um "campeão que trabalhou e lutou para alcançar tantas vitórias e que sempre manteve com os outros uma relação calorosa de afeto e de respeito mútuo. Em nome de Portugal, até sempre Eusébio".

Foram decretados, em Portugal, três dias de luto nacional.

As bancadas parlamentares estão de acordo sobre a transladação dos restos mortais de Eusébio, em tempo legal, para o Panteão Nacional.

A Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) pediu aos clubes que observem um minuto de aplausos e usem fumos negros em memória de Eusébio nos jogos da próxima jornada dos dois principais escalões de futebol.


mandela









Mandela e de Klerk


















nelson-mandela2
Nelson Mandela



Nelson Mandela, ex-presidente da África do Sul, morreu aos 95 anos, em Pretória, no dia 05 de dezembro (1918 a 2013).


Estadista, conhecido como “Madiba”, o líder carismático sul-africano foi considerado um dos maiores heróis da luta dos negros pela igualdade de direitos no país e foi um dos principais responsáveis pelo fim do regime racista do apartheid, vigente de 1948 a 1993.

Nelson Mandela passou 27 anos na prisão por lutar contra o regime do apartheid.
Foi libertado da a 11.02.1990, quando Frederik de Klerk era presidente.

Os dois negociaram a transição para uma democracia multirracial.

Assim, De Klerk é conhecido por fazer terminar o regime de apartheid (a política de segregação racial da África do Sul) permitindo à maioria negra direitos civis iguais aos brancos, transformando o seu país numa democracia.

Frederik Willem de Klerk (Joanesburgo, 18 de Março de 1936) foi presidente da África do Sul  (setembro de 1989 a maio de 1994) e o último branco a ocupar o cargo, no apartheid.



Em 1993 Mandela e de Klerk foram agraciados com o prémio Nobel da Paz.



Em 1994, Nelson Mandela, eleito democraticamente, torna-se Presidente da República, com De Klerk como Vice Presidente.
Três anos depois, De Klerk abandona a vida política.



Nelson Mandela foi presidente da África do Sul de 1994 a 1999. Principal representante do movimento antiapartheid é considerado pelo povo um guerreiro em luta pela liberdade.



Eis algumas das frases de Nelson Mandela:


"Sonho com o dia em que todos levantar-se-ão e compreenderão que foram feitos para viverem como irmãos."

"Uma boa cabeça e um bom coração são sempre uma combinação formidável."

"A educação e o ensino são as mais poderosas armas que podes usar para mudar o mundo."

"Ser pela liberdade não é apenas tirar as correntes de alguém, mas viver de forma que respeite e melhore a liberdade dos outros."

"Se falares a um homem numa linguagem que ele compreenda, a tua mensagem entra na sua cabeça. Se lhe falares na sua própria linguagem, a tua mensagem entra-lhe diretamente no coração."

"É melhor liderar a partir da retaguarda e colocar outros à frente, especialmente quando estamos a celebrar uma vitória por algo de muito bom que aconteceu. Mas deves tomar a linha da frente quando há perigo. Desta forma as pessoas irão apreciar a tua liderança."

"Tudo parece impossível até que seja feito."


"A prioridade é sermos honestos connosco. Nunca poderemos ter um impacto na sociedade se não nos mudarmos primeiro. Os grandes pacificadores são todos gente de grande integridade e honestidade mas, também, de humildade."

"A educação é o grande motor do desenvolvimento pessoal. É através dela que a filha de um camponês se torna médica, que o filho de um mineiro pode chegar a chefe de mina, que um filho de trabalhadores rurais pode chegar a presidente de uma grande nação."

"Ninguém nasce a odiar outra pessoa devido à cor da sua pele, ao seu passado ou religião.  As pessoas aprendem a odiar, e, se o podem fazer, também podem ser ensinadas a amar, porque o amor é mais natural no coração humano do que o seu oposto"

"Ir para a prisão por causa das próprias convicções e estar preparado para sofrer por aquilo em que se acredita, é uma coisa que vale a pena. É uma proeza um homem fazer o seu dever na Terra, independentemente das consequências."

"Quando penso no passado, no tipo de coisas que me fizeram, sinto-me furioso, mas, mais uma vez, isso é apenas um sentimento. O cérebro sempre domina e diz-me: tens um tempo limitado de estada na Terra e deves tentar usar esse período para transformar o teu país naquilo que desejas."

"Tenho um laço especial com as pessoas que foram solidárias comigo durante os tempos de sofrimento."

"Não pode haver maior dom do que o de dar o próprio tempo e energia para ajudar os outros, sem esperar nada em troca."

"Sempre considerei a amizade como algo muito precioso. Mas há momentos na vida de uma pessoa em que ela é de importância singular, em que ela te torna dona do teu destino."

"A nossa sociedade necessita de restabelecer uma cultura de amor."

"Estou mais do que nunca influenciado pela convicção de que a igualdade social é a única base da felicidade humana."

"A liberdade não é uma mera ausência de aprisionamento, tal como se diz que a paz não é uma mera ausência de guerra."

"A experiência diz-nos que o caminho para a libertação não é um desejo fácil e romântico, mas um projeto prático e complicado que exige reflexão e planeamento adequado."

"Cada um de nós é, neste mundo moderno globalizado, guardião do seu irmão ou irmã. Foram muitas as vezes que falhámos esta exigência moral."

"Passamos por este mundo só uma vez e nunca mais terás as oportunidades que desperdiçares."

"A morte é algo inevitável. Quando um homem já fez aquilo que considera ser o seu dever para com o seu povo e o seu país, ele pode descansar em paz.
Acredito que fiz esse esforço e que é por isso que descansarei para a eternidade."





francisco-lampedusa1


francisco-baculo2

francisco-altar3
francisco-ambao4

francisco-calice5








































Francisco, Papa, visita a ilha italiana de Lampedusa 


07 de julho de 2013 - segunda feira


Passavam poucos minutos das 9:00 horas da manhã - o avião que trazia o papa Francisco, na sua histórica primeira viagem apostólica, chegou ao aeroporto da ilha de Lampedusa.

O Papa foi recebido por dom Francesco Montenegro, arcebispo de Agrigento, e pela prefeita Giuseppina Nicolini.

Após a chegada à localidade de Cala Pisana, o papa foi levado num barco de patrulha da Guarda Costeira até o porto de Lampedusa, acompanhado por 120 barcos de pescadores.


Vídeo


Um dos momentos significativos ficou marcado pelo lançamento de uma coroa de flores ao mar em memória de todos quantos perderam a vida nas águas ao tentar escapar ao sofrimento que suportavam em seu país natal.

Na ilha de Lampedusa, ao longo das estradas, tremulavam bandeiras brancas e amarelas e cartazes a testemunhar a hospitalidade dos seus moradores: Bem-vindo, Santo Padre! Papa Francisco, nós te amamos! Papa Francisco, peregrino do mar!

No cais Favarolo, um grupo de refugiados cantava cânticos marianos em homenagem a Francisco, que cumprimentou pessoalmente cada um dos imigrantes.

Em seguida, no Campo Desportivo "Arena", da localidade de Salina, o papa celebrou a Eucaristia. Nela participaram cerca de dezasseis mil pessoas, a rezar por aqueles que pereceram a caminho da “ilha das lágrimas”, da "ilha da morte".

A cor dos paramentos escolhidos para a missa foi o roxo, como sinal do caráter penitencial da celebração.

O báculo, o altar, o ambão e o cálice, utilizados na celebração, foram  obra do carpinteiro de Lampedusa - Franco Tucci - com a madeira dos "barcos da esperança", embarcações dos migrantes.

Santa Missa no Campo Esportivo "Arena": Homilia do Santo Padre 
[Português]


Da Homilia, destacamos:


«Imigrantes mortos no mar; barcos que em vez de serem uma rota de esperança se tornaram uma rota de morte. Assim recitava o título dos jornais.

Quando, há algumas semanas, tomei conhecimento desta notícia, que infelizmente tantas vezes se repete, o meu pensamento tornou-se continuamente como um espinho no coração que traz sofrimento.

E então senti que devia vir aqui hoje rezar, fazer um gesto de proximidade, mas também para despertar a nossa consciência, a fim de que o que aconteceu não se repita. Que não se repita, por favor. [...]


Nesta manhã quero, à luz da Palavra de Deus que escutamos, propor algumas palavras que sejam sobretudo uma provocação à consciência de todos, que a todos incitem a reflectir e a mudar concretamente certas atitudes.

«Adão, onde estás?»: é a primeira pergunta que Deus faz ao homem depois do pecado. «Onde estás, Adão?». [...]
E Deus coloca a segunda pergunta: «Caim, onde está o teu irmão?» [...]
O sonho de ser poderoso, ser grande como Deus ou, melhor, ser Deus, leva a uma cadeia de erros que é cadeia de morte: leva a derramar o sangue do irmão! [...]

Estas duas perguntas de Deus ressoam, também hoje, com toda a sua força! Muitos de nós – e neste número me incluo também eu – estamos desorientados, já não estamos atentos ao mundo em que vivemos, não cuidamos nem guardamos aquilo que Deus criou para todos, e já não somos capazes sequer de nos guardar uns com os outros.
E, quando esta desorientação atinge as dimensões do mundo, chega-se a tragédias como aquela a que assistimos. [...]

«Adão, onde estás?» e «onde está o teu irmão?» são as duas perguntas que Deus coloca no início da história da humanidade e dirige também a todos os homens do nosso tempo, incluindo nós próprios. 
Mas eu queria que nos puséssemos uma terceira pergunta: «Quem de nós chorou por este facto e por factos como este?» Quem chorou pela morte destes irmãos e irmãs? [...]

(NB - de quando em vez, nesta como em situações similares, o Papa Francisco repete: "Isto é uma vergonha")

 [...] Somos uma sociedade que esqueceu a experiência de chorar, de «padecer com»: a globalização da indiferença tirou-nos a capacidade de chorar!
No Evangelho, ouvimos o brado, o choro, o grande lamento: «Raquel chora os seus filhos (...), porque já não existem». [...]

Senhor, nesta Liturgia, que é uma liturgia de penitência, pedimos perdão pela indiferença por tantos irmãos e irmãs; pedimo-Vos perdão, Pai, por quem se acomodou, - e se fechou no seu próprio bem-estar que leva à anestesia do coração; pedimo-Vos perdão por aqueles que, com as suas decisões a nível mundial, criaram situações que conduzem a estes dramas. Perdão, Senhor!

Senhor, fazei que hoje ouçamos também as tuas perguntas: «Adão, onde estás?» «Onde está o sangue do teu irmão?»

 

O papa Francisco também rezou a Maria - Estrela do Mar - junto à imagem da Virgem de Porto Salvo, que, ao tempo da quarta cruzada, era venerada por cristãos e muçulmanos, e é hoje símbolo da integração religiosa





A seguir à Eucaristia, já na sacristia, Francisco saudou alguns fiéis e organizadores da visita.

Depois, encontrou-se com cinquenta imigrantes, muitos deles muçulmanos, alojados no centro de acolhimento local.

No final da manhã, visitou a paróquia de São Gerlando, onde cumprimentou alguns sacerdotes do arcebispado e familiares do pároco e do vice-pároco de Lampedusa.


Após seis horas de visita, às 14:00 horas o Papa Francisco regressou a Roma.



Página seguinte   

Franciscanas Missionárias de Maria © 2011. Todos os direitos reservados.