Maria da Paixão
Instituto FMM
As 7 Mártires e Assunta

Província
Instituto
Igreja
Mundo
Amigos FMM
Voluntariado
Pastoral Juvenil/ Vocacional
Abre e vê
Quem somos
O que fazemos
Onde estamos
Amoreira da Gândara Fratel Porto - Maria Missionária
Arcozelo Funchal - Santa Clara Porto - S. Francisco
Beja Funchal - São Jorge Porches
Braga Lisboa - Casa Provincial Setúbal
Bragança  Lisboa - Chelas V. N. de Santo André
Charneca Caparica Lisboa - Cristo da Boa Morte Vila de Rei
Coimbra   Lisboa - Olivais  

 

 


francisco-com-crianca-deficiente



Notícias do Mundo

marcha-pela-vida

28/01/2017 - in Woshington

“Que este evento, a favor dos mais indefesos de nossos irmãos e irmãs,
possa contribuir para uma mobilização das consciências
em defesa do direito à vida
e para medidas eficazes a fim de garantir
a sua adequada proteção jurídica”.

Papa Francisco

 























assembleia-republica2



Eutanásia?


Assembleia da República debate petição sobre eutanásia
01.02.2017

O Parlamento discute hoje uma petição a favor a despenalização da morte assistida, enquanto se aguarda o agendamento dos projetos de lei sobre a matéria, do BE e do PAN, e o Presidente da República defende um amplo debate.

A petição do movimento cívico "Direito a morrer com dignidade" defende a despenalização da morte assistida, ou seja a eutanásia,
e pede que a Assembleia da República legisle nesse sentido.
(...)
Fonte: SIC Notícias

direito-dos-idosos1



1. O que é a eutanásia?


Fonte - Agência Ecclesia

direito-dos-idosos2



2. Eutanásia: direito a morrer?




Fonte - Agência Ecclesia


direito-dos-idosos3


3. Eutanásia: fim do sofrimento?




Fonte - Agência Ecclesia

direito-dos-idosos4




4. Eutanásia? A vida é sempre a melhor opção…




Fonte - Agência Ecclesia

direito-dos-idosos5

 

5. Eutanásia? Não! Cuidar e acompanhar...





Fonte - Agência Ecclesia



“O homem de todos os tempos e lugares deseja uma vida plena e boa, justa e serena, uma vida que não seja ameaçada pela morte, mas que possa amadurecer e crescer até à sua plenitude.

O homem é como um viajante que, ao atravessar os desertos da vida, tem sede de água viva, jorrante e fresca, capaz de saciar profundamente o seu desejo de luz, amor, beleza e paz.

Todos nós sentimos este desejo! E Jesus doa-nos esta água viva: ela é o Espírito Santo, que procede do Pai e que Jesus derrama nos nossos corações.

«Vim para que tenhais vida e vida em abundância», diz-nos Jesus” (Jo 10, 10).

Papa Francisco - 8 de maio de 2013 | Francisco - La Santa Sede




mario-soares2



O testemunho da Igreja Católica

O cardeal-patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, sublinhou
à Agência ECCLESIA que as instituições democráticas em Portugal, como “felizmente” existem hoje, devem “muito” a Mário Soares, “sobretudo nos anos
de implementação da democracia”, década de 70
do século XX.

O padre Saturino Gomes sublinha que Mário Soares “confirmou sempre” a sua condição de agnóstico, mas condenava “todos os extremismos religiosos”. “Por mais de uma vez confessou-me o seu apreço e respeito pela Igreja Católica, dizendo que não tinha sido tocado pela graça da fé”, recorda o sacerdote dehoniano, acrescentando que Mário Soares “admirava certas figuras da hierarquia católica com quem tinha contactado em encontros oficiais e particulares”.

Como Presidente da República, Soares recebeu o Papa João Paulo II na viagem que o santo polaco fez a Portugal, em 1991; antes, a 27 de abril de 1990, realizara uma visita oficial ao Vaticano.

O Padre António Rego saúda o papel do antigo presidente para evitar «questão religiosa».
“Manifestou sempre um respeito enorme pelas confissões religiosas”, assinala.
E evoca um encontro com o antigo Presidente, quando Soares o chamou ao Palácio de Belém para “pedir um parecer sobre uma questão religiosa”. “Eu diria que aquilo a que chamam tolerância, eu chamaria uma sabedoria, saber gerir diferenças e conflitos.”

A Rádio Renascença, em 'nota de abertura' assinala: “Sem abandonar os seus princípios, Mário Soares recusou os caminhos da «questão religiosa»
da I República e “defendeu, antes e depois do 25 de Abril, o papel da Igreja
em Portugal”.
.
Destaca também que, “em tempos muito difíceis”, Mário Soares “não hesitou” em defender a emissora opondo-se à sua ocupação. “Ao fazê-lo, defendeu não só a liberdade de expressão, mas também a liberdade religiosa”.

O jornal ‘L'Osservatore Romano’, do Vaticano, afirma, na edição 9 de Janeiro 2017, que Mário Soares foi “uma das principais figuras políticas do socialismo português e europeu” e “protagonista da vida pública” durante 40 anos.

“Protagonista da vida pública do seu país durante 40 anos, Soares foi um dos líderes de transição portuguesa para a democracia, depois da considerada ‘revolução dos cravos’, que pôs fim à ditadura salazarista em 1974”, afirma na página 2 o jornal da Santa Sé.

O Conselho Permanente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), reunido em Fátima, a 10-01-2017, destacou o papel de Mário Soares na defesa da liberdade religiosa em Portugal.

Em declarações aos jornalistas, no final da reunião, o padre Manuel Barbosa, porta-voz da CEP, afirmou que os bispos portugueses reconheceram "a dedicação que Mário Soares teve como presidente da comissão da liberdade religiosa,
que foi uma comissão instituída para a defesa da liberdade de consciência,
de religião e de culto de todos os
cidadãos".

"Assumiu os princípios da liberdade, igualdade, cooperação, respeito e da tolerância entre todas as religiões reconhecidas no nosso país", disse Manuel Barbosa, aludindo ao trabalho de Mário Soares na presidência daquela comissão, cargo que assumiu em 2007 e para o qual foi reconduzido em 2011.

"As religiões são instrumentos de paz, civilização e diálogo entre os povos",
acrescentou o porta-voz da CEP, citando o antigo Presidente da República e ex-primeiro ministro.
O conselho permanente da Conferência Episcopal Portuguesa fez hoje uma "homenagem agradecida" a Mário Soares, por toda a sua vida e pela defesa da democracia em Portugal…

Mário Soares desempenhou um papel crucial para evitar que a oposição ao Estado Novo e a Salazar caísse no grande erro estratégico da 1ª República: atacar o catolicismo.

Esta atitude garantia a posição social do catolicismo em Portugal, que os liberais anteriores sempre tinham recusado. Sem ela, teria sido impossível o triunfo pacífico do 25 de abril. Quando, a partir de junho de 1975, a extrema-esquerda, incluindo o PCP, voltam a atacar a Igreja Católica, Soares combateu pela paz civil.
Síntese da ecolha de dados feita por
Maria Armanda Lopes, fmm

                               

mario-soares-filhos.



Mário Soares terminou o seu percurso terreno
na presença dos seus dois filhos:
João Barroso Soares e Isabel Soares

mario-soares

sábado 07-01-2017


Mário Alberto Nobre Lopes Soares, que nasceu em Lisboa, a 7 de dezembro de 1924, morreu, na tarde deste sábado, no Hospital da Cruz Vermelha,
após um longo internamento, desde o dia 13 de dezembro.

O 17.º presidente da república portuguesa tinha 92 anos. Fica sepultado no Cemitério dos Prazeres.

O Governo decretou três dias de luto nacional. O funeral terá honras de Estado.

Homenagem ao Presidente Mário Soares
Mosteiro dos Jerónimos






Página anterior


   
                                    

Franciscanas Missionárias de Maria © 2011. Todos os direitos reservados.