Maria da Paixão
Instituto FMM
As 7 Mártires e Assunta

Província
Instituto
Igreja
Mundo
Amigos FMM
Voluntariado
Pastoral Juvenil/ Vocacional
Abre e vê
Quem somos
O que fazemos
Onde estamos
Amoreira da Gândara Fratel Porto - Maria Missionária
Arcozelo Funchal - Santa Clara Porto - S. Francisco
Beja Funchal - São Jorge Porches
Braga Lisboa - Casa Provincial Setúbal
Bragança  Lisboa - Chelas V. N. de Santo André
Charneca Caparica Lisboa - Cristo da Boa Morte Vila de Rei
Coimbra   Lisboa - Olivais  

 

 



 

 














 











Pastoral Juvenil/vocacional

Comunidade de Acolhimento a Jovens

Olá! Paz e Bem!
Somos Jovens cristãos e estamos a discernir a nossa vocação junto das Irmãs Franciscanas Missionárias de Maria, no primeiro fim-de-semana de cada mês.

Podes encontrar-nos:
Noviciado FMM, Rua João Paulo II, 530, Arcozelo- Barcelos.


O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player



ATENÇÃO

Vem conhecer a tua vocação, o sonho de felicidade que Deus quer construir contigo!

Se estiveres interessado, junta-te a nós no dia 6 de Abril (das 08.00h às 16.30h).

Já pensaste o que é ser religiosa/o?
E quem são e como vivem as FMM? 


O tema deste encontro será: «A Vida Consagrada na Igreja»

Teremos um tempo de voluntariado com os mais carenciados!

 

Contactos:

E-mail: analuisaprego@gmail.com

Telemóvel: 912 714 108

Site: www.fmmportugal.com

barrinha


Se quiseres fazer uma experiência de fé em Jesus Cristo, junta-te a nós.

O QUÊ?
Encontros no primeiro fim-de-semana de cada mês, para jovens (raparigas e rapazes), a partir dos 14 anos, que queiram discernir o sonho de Deus para eles: vida matrimonial, vida consagrada, vida sacerdotal ou vida laical.

Todos os encontros começam no 1º dia às 21.00h e terminam com o almoço do último dia.

QUAIS OS TEMAS?
Sinais do amor de Deus
Respostas ao amor de Deus:
Matrimónio
Vida consagrada
Vida laical
Sacerdócio

OBJETIVOS?

Conhecer-se
Dialogar com Deus
Aprofundar a Palavra de Deus
Conhecer os diferentes caminhos cristãos de felicidade 

QUANDO COMEÇA?

Novembro: de 2 a 4;
Dezembro: de 30 Novembro a 2 de Dezembro;
Janeiro: de 4 a 6
Fevereiro: de 1 a 3
Março: de 1 a 3
Abril: de 5 a 7
Maio: de 3 a 5
Junho: de 31 de Maio a 2 de Junho






  Sarau Cultural Arciprestal em Pereira


Animação Vocacional nas Paróquias de Barcelos

Duas paróquias, Parada de Gatim e Esmeriz de S. Martinho, receberam a visita de um missionário  com uma missionária, nos dias 19 e 20 de Janeiro de 2013.

A convite do Pároco, o P. Bruno, Passionista, e a irmã Ana Luísa, fmm, deslocaram-se aí para realizar encontros de animação vocacional com todos os grupos de catequese e formação de agentes pastorais na linha vocacional alargada.
As duas Eucaristias foram presididas pelo P. Bruno e a homilia dialogada pelos dois missionários.

No final, pudemos partilhar a experiência dos vários encontros vocacionais nas diferentes Congregações e Institutos e no Seminário e ainda a importância de falar com casais que vivem o seu matrimónio com seriedade.

Alguns manifestaram gosto em conhecer-nos e vir aos nossos encontros vocacionais.

Trata-se de semear e o Senhor fará crescer e frutificar onde e quando e como quiser. Afinal, não é Ele o Senhor da Messe? Confiamos!

Ana Luísa Anjos Prego, fmm




Sabias que:

  • Deus chama todos à vida, ao amor, à felicidade
  • Deus chama alguns à Vida Consagrada
  • Deus chama outros ao Matrimónio
  • Deus chama outros a serem sinais do Seu amor,
    vivendo solteiros pelo Reino
  • Deus chama à vida missionaria F.M.M


O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player



Vem
conhecer a tua vocação,
o sonho de felicidade que Deus  quer construir contigo!

O que é a comunidade de acolhimento
e discernimento vocacional FMM?

«Jesus voltou-se e, notando que eles o seguiam, perguntou-lhes: «Que pretendeis?» Eles disseram-lhe: «Rabi - que quer dizer Mestre - onde moras?» Ele respondeu-lhes: «Vinde e vereis.» Foram, pois, viram onde morava e ficaram com Ele nesse dia.» (Jo. 1, 38-39)


Na Igreja e na sociedade de hoje abundam os projectos individuais de experiência do divino. Mas escasseiam os projectos comunitários onde os jovens possam «vir e ver» como se pode responder ao apelo de Deus.
A nossa comunidade de acolhimento é um projecto comunitário de experiência de Deus. É um serviço à pessoa, sobretudo à rapariga, para que possa abrir o coração e a mente ao Deus Amor, fonte de todas as vocações, e responder ao projecto de felicidade que Deus tem para ela.

Esta comunidade está situada em Arcozelo, no lugar onde tem funcionado o Noviciado das FMM (Rua João Paulo II, 530, Arcozelo-Barcelos).

Oferece, às jovens que o desejem, uma experiência de vida fraterna estável, durante um tempo determinado. A duração pode ir de alguns dias a um ou dois anos e adaptar-se-á às necessidades concretas de cada uma.

Quando na jovem nasce a questão explícita sobre o seu projecto de vida ou uma questão mais profunda de como orientar as suas escolhas vocacionais, propomos-lhe um fim-de-semana vocacional.
Algumas vezes são as jovens que nos pedem directamente para poder participar, outras vezes são sacerdotes ou algum catequista que as orientam para nós, para um percurso de discernimento vocacional mais aprofundado.

O que são os fins-de-semana vocacionais? 
São encontros no primeiro fim-de-semana de cada mês, de sexta à noite até domingo ao almoço, a começar já em Maio 2011, estruturados segundo estes temas:

  1. As múltiplas manifestações do amor de Deus.

A criação, a fidelidade de Deus (ex. David, Rute, Maria...), os sinais concretos da presença de Deus na história da salvação. Expressões criativas e artísticas.

      2. A minha resposta ao Amor: critérios de discernimento e fidelidade à própria identidade.

Dinâmicas humanas e escuta dos próprios desejos, explicitação dos critérios de discernimento, estudo de figuras bíblicas (Samaritana, etc).

      3. A Pascoa: fundamento de todas as vocações.

3.1. A vida consagrada no mistério pascal: união com Deus, a vida fraterna, o serviço, os votos.
3.2. O matrimónio no projecto de Deus: o Génesis, as Cartas de S. Paulo, o testemunho de um casal.

      4) O Espírito Santo criador de vida e de unidade: O Instituto FMM na Missão da Igreja e no Mundo

Outras formas de discernimento:
A jovem, vivendo e permanecendo na sua casa, pode solicitar uma experiência mais longa de discernimento vocacional personalizado com uma irmã fmm desta comunidade (por exemplo, um encontro por mês).
Pode também propôr viver com as irmãs que compõem a comunidade, contando com o acompanhamento personalizado de uma irmã fmm. Neste caso, a jovem toma parte em todas as actividades da vida comunitária.
Oferecemos, pois, às jovens que o desejem, uma experiência de vida fraterna estável durante um tempo determinado.


Quais são os objectivos desta comunidade de acolhimento e discernimento vocacional?
Ajudar a jovem a:

  • Continuar o conhecimento de si própria e de sua identidade de mulher 
  • Crescer no conhecimento e na confiança em Deus 
  • Aprofundar as várias vocações na Igreja para chegar a uma escolha livre, responsável e feliz 

A Coordenadora da Comunidade de Discernimento Vocacional
Irmã Ana Luisa dos Anjos Prego, fmm



UM NATAL EM BURKINA - FASO

Ainda recordo o primeiro Natal que vivi no Burkina-Faso. Foi em 1998. Uma temperatura de 40ºC não me dizia que estava em Dezembro, no Natal. Tive a sensação de estar a celebrar outra festa: «não seria o 15 de Agosto, a Assunção de Maria ao céu??» Era o meu primeiro contacto com outro clima.


Na cidade de Bobo-Dioulasso não havia nenhuma decoração nas ruas, nem montras cheias de diferentes iguarias. O Natal para mim foi reduzido ao essencial: «um menino nasceu para nós, um filho nos foi dado; tem a soberania sobre os seus ombros, e o seu nome é: Conselheiro-Admirável, Deus herói, Pai-Eterno, Príncipe da paz» (cf. Isaias 9, 5). Pois nós aqui «inventámos Consoadas e Meninos em palhinhas; fizemos árvores, luzinhas, embrulhos e embrulhadas, muitas coisas e coisinhas que não valem mesmo nada; e do Natal, do seu sentido profundo, dessa Luz que veio ao Mundo, nem sinal» (poema de Luís Santiago).


Como acontece frequentemente no Burkina, a maioria dos nossos vizinhos era muçulmana. No Natal vieram saudar-nos e ofereceram-nos uma travessa de arroz enriquecido com carne e legumes a fim de celebrarmos o nascimento de Isa al Masih (Jesus). Para eles é um profeta, para nós é o Filho de Deus; mas sempre senti muito respeito da parte deles.


Um facto curioso acontece nas diferentes Missas do Natal, apesar do controle apertado dos párocos: as mulheres muçulmanas que não conseguem engravidar vêm comungar (dir-se-á antes comer a hóstia consagrada), fazendo-se passar por cristãs. Mas porquê? Porque querem engravidar e não conseguem e vão dizendo uma às outras: «comigo resultou»; «fui à comunhão das cristãs e dias depois engravidei»!

A Missa da Meia-noite, tradicionalmente chamada missa do galo, foi ao ar livre devido ao número elevado de participantes; cada um levou o seu banquinho. Recordo a pobreza das vestes da maioria dos que estavam ao meu lado, algumas com buracos; mas todos se apresentam muito lavados. Foram cerca de três horas de celebração; ninguém tinha pressa de ir embora para comer as rabanadas e os perus recheados, que nas mesas não existiam. Houve alegria, partilhas espontâneas, boas festas simples e essenciais. O Evangelho foi encenado tão realisticamente que até se ouviu o grito de dor de Maria dando à luz a Jesus! Coisa impensável para nós, que estilizámos aquele nascimento como se de humano não se tratasse!
Em comunidade também reinava a simplicidade: um pequeno bolo e galinha assada era o nosso jantar. Nem prendas nem luzes, apenas um presépio na capela. E, no entanto, muito mais sofisticado do que o Natal da maioria.


A minha presença entre os mais pobres ajudou-me a simplificar algumas coisas na minha vida: não são imprescindíveis os sinais externos de Natal, pois quando Jesus nasceu não trazia sinais externos da Sua divindade. Vivi 5 Natais nesta simplicidade com os cristãos do Burkina. Hoje ainda procuro mais simplicidade, tentando agarrar-me ao essencial: Deus pobre e humilde.

Ana Luísa dos Anjos Prego
Franciscana Missionária de Maria

        

Notícias da comunidade de acolhimento
e discernimento vocacional FMM

«Jesus voltou-se e, notando que eles o seguiam, perguntou-lhes: «Que pretendeis?» Eles disseram-lhe: «Rabi - que quer dizer Mestre - onde moras?» Ele respondeu-lhes: «Vinde e vereis.» Foram, pois, viram onde morava e ficaram com Ele nesse dia.» (Jo. 1, 38-39)


Na Igreja e na sociedade de hoje abundam os projectos individuais de experiência do divino. Mas escasseiam os projectos comunitários onde os jovens possam «vir e ver» como se pode responder ao apelo de Deus.
A nossa comunidade de acolhimento é um projecto comunitário de experiência de Deus. É um serviço à pessoa, sobretudo à rapariga, para que possa abrir o coração e a mente ao Deus Amor, fonte de todas as vocações, e responder ao projecto de felicidade que Deus tem para ela.

Esta comunidade está situada em Arcozelo, no lugar onde tem funcionado o Noviciado das FMM (Rua João Paulo II, 530, Arcozelo-Barcelos).

Oferece, às jovens que o desejem, uma experiência de vida fraterna estável, durante um tempo determinado. A duração pode ir de alguns dias a um ou dois anos e adaptar-se-á às necessidades concretas de cada uma.

Quando na jovem nasce a questão explícita sobre o seu projecto de vida ou uma questão mais profunda de como orientar as suas escolhas vocacionais, propomos-lhe um fim-de-semana vocacional.
Algumas vezes são as jovens que nos pedem directamente para poder participar, outras vezes são sacerdotes ou algum catequista que as orientam para nós, para um percurso de discernimento vocacional mais aprofundado.

O que são os fins-de-semana vocacionais? 
São encontros no primeiro fim-de-semana de cada mês, de sexta à noite até domingo ao almoço, a começar já em Maio 2011, estruturados segundo estes temas:

  1. As múltiplas manifestações do amor de Deus.

A criação, a fidelidade de Deus (ex. David, Rute, Maria...), os sinais concretos da presença de Deus na história da salvação. Expressões criativas e artísticas.

      2. A minha resposta ao Amor: critérios de discernimento e fidelidade à própria identidade.

Dinâmicas humanas e escuta dos próprios desejos, explicitação dos critérios de discernimento, estudo de figuras bíblicas (Samaritana, etc).

      3. A Pascoa: fundamento de todas as vocações.

3.1. A vida consagrada no mistério pascal: união com Deus, a vida fraterna, o serviço, os votos.
3.2. O matrimónio no projecto de Deus: o Génesis, as Cartas de S. Paulo, o testemunho de um casal.

      4) O Espírito Santo criador de vida e de unidade: O Instituto FMM na Missão da Igreja e no Mundo

Outras formas de discernimento:
A jovem, vivendo e permanecendo na sua casa, pode solicitar uma experiência mais longa de discernimento vocacional personalizado com uma irmã fmm desta comunidade (por exemplo, um encontro por mês).
Pode também propôr viver com as irmãs que compõem a comunidade, contando com o acompanhamento personalizado de uma irmã fmm. Neste caso, a jovem toma parte em todas as actividades da vida comunitária.
Oferecemos, pois, às jovens que o desejem, uma experiência de vida fraterna estável durante um tempo determinado.


Quais são os objectivos desta comunidade de acolhimento e discernimento vocacional?
Ajudar a jovem a:

  • Continuar o conhecimento de si própria e de sua identidade de mulher 
  • Crescer no conhecimento e na confiança em Deus 
  • Aprofundar as várias vocações na Igreja para chegar a uma escolha livre, responsável e feliz 

A Coordenadora da Comunidade de Discernimento Vocacional
Irmã Ana Luisa dos Anjos Prego, fmm

 

Basta! É este o grito que nasceu diante do problema do tráfico de seres humanos e da violência devida ao machismo, um mal enraizado no nosso país, a Argentina, e especialmente em Formosa, uma das províncias fronteiriças. A CONFAR – Conferência da Argentina dos Religiosos/as – tomou este desafio como prioritário, perante a vulnerabilidade de milhares de crianças, de adolescentes e de mulheres, sujeitas à prostituição, perdendo assim a dignidade e a liberdade. Não interessa que pessoa possa ser vítima e forçada a um trabalho aberrante e ilegal. A prostituição é considerada o tráfico mais lucrativo a seguir ao comércio de armas e da droga, o que implica muitas pessoas cúmplices que vivem deste «comércio», incluindo funcionários, polícias, políticos.

A decisão de combater este crime não é clara, apesar de o congresso Nacional Argentino ter aprovado em 2008 a lei 26 364 sobre o “Tráfico de Pessoas e a Assistência às Vítimas”. Infelizmente esta lei ainda não está regulamentada e por isso não é aplicada.

Perante esta situação, a CONFAR da Formosa, em que participam duas comunidades de Franciscanas Missionárias de Maria, organizou, com outras associações empenhadas na problemática, dias de sensibilização, com a presença duma Irmã Carmelita Missionária Teresiana, congregação muito comprometida nesta dura realidade. Estas jornadas foram intensas com a participação de religiosas, sacerdotes, alguns funcionários e muitos habitantes de toda a província, mesmo mulheres aborígenes interessadas e preocupadas com o problema.

A estratégia é criar Fóruns, formados de membros do grupo e de funcionários do Estado que aceitem participar. Eles são provenientes das cidades onde as raparigas, as mulheres e os homens sofrem pressões, sujeição, abuso, violência e torturas, são as vítimas duma sociedade onde reinam a desigualdade, a injustiça e a indiferença.

As Franciscanas Missionárias de Maria aderiram com entusiasmo a esta missão, fazendo parte dos fóruns e trabalhando com as mulheres dos meios pobres, através dos Centros Comunitários onde estas mulheres podem receber ajuda e formação, tanto para elas como para os filhos. O funcionamento dos organismos do Estado é complicado, porque há interesses pessoais e muita corrupção, pessoas sem escrúpulos que fazem comércio que ninguém vê ou não quer ver. Se não houvesse clientes e apoiantes que exploram as mulheres, a tarefa seria certamente muito simples. Fala-se da prostituição, mas não se fala dos que apanham, abusam e ameaçam vítimas sem protecção legal.

Parece-nos que o nosso compromisso nesta tarefa é importante.
As soluções não são fáceis,
mas está em jogo o destino de mulheres e de crianças.

Maria Inés Delfino, fmm




Página seguinte

Franciscanas Missionárias de Maria © 2011. Todos os direitos reservados.